Cirurgia Bariátrica Convênios

Algumas informações devem ser reforçadas, já que em algumas circunstancias elas são consideradas “menores” pelos médicos e mesmo pelos pacientes e abordadas rapidamente, já que habitualmente a obesidade e suas doenças associadas e aspectos práticos sobre as cirurgias requerem mais atenção. No entanto, a reversão é extremamente complicada, oferece mais riscos do que a cirurgia em si e realmente só é feita em casos extremos, como em pacientes com câncer ou com aids Se paciente está com peso normal estável e as doenças estão controladas não há razão para desfazer procedimento. Os riscos da cirurgia bariátrica estão ligados principalmente à quantidade e gravidade de doenças associadas à obesidade, sendo as principais complicações:

Para que um paciente realize a cirurgia, é necessário que ele esteja ao menos 45 quilos acima do peso ideal, com índice de massa corporal de 40 ou superior; os pacientes que tiverem problemas de saúde relacionados à obesidade podem realizar procedimento quando IMC estiver no nível 35. A Gastroplastia, também chamada de Cirurgia Bariátrica, Cirurgia da Obesidade ou ainda de Cirurgia de redução do estomago é como uma plástica no estômago (gastro = estômago, plastia = plástica), que tem como objetivo reduzir peso de pessoas com IMC muito elevado. A Cirurgia Bariátrica Convênios é a alteração cirúrgica do estômago, intestino ou ambos visando à perda de peso.

A cirurgia bariátrica é altamente bem sucedida e produz redução duradoura de até 70% do excesso de peso e da reversão de muitas doenças relacionadas com a obesidade (por exemplo, DM2 taxa de remissão de 85% em> 2 anos, apnéia do sono 40%, hipertensão arterial 66 %, hipertrigliceridemia e baixo colesterol HDL 85%). Contra-indicações para a cirurgia bariátrica incluem condições médicas que reduzam significativamente a expectativa de vida e não são susceptíveis de melhorar após a perda de peso (por exemplo, câncer avançado, em fase final renal, hepática ou doença cardiopulmonar) e aqueles que impedem a compreensão do paciente de cirurgia bariátrica e / ou capacidade de aderir às mudanças comportamentais pós-cirúrgicas (por exemplo, a esquizofrenia não tratada, abuso de substância ativa). Mas apresenta um anexo contendo indicações gerais, riscos cirúrgicos, equipe, hospital e procedimentos aceitos (restritivos, cirurgias disabsortivas e cirurgias mistas).

Se passados dois anos com falha na redução de peso, paciente deve procurar um médico para avaliar se preenche os requisitos para a realização da gastroplastia (cirurgia bariátrica). Dentre outras considerações, Conselho Federal de Medicina – CFM viu a necessidade da elaboração de normas para tratamento da obesidade mórbida através da cirurgia, definindo indicações, procedimentos aceitos e equipe. Este artigo tem por objetivo um breve estudo acerca dos requisitos para a realização da cirurgia da Gastroplastia (cirurgia bariátrica), também denominada de cirurgia de redução de estômago, visto tratar-se de um procedimento de alta complexidade – que requer acompanhamentos pré e pós ato cirúrgico, e que vem crescendo a cada dia no Brasil.

tempo de duração de cada tipo de Cirurgia Bariátrica Convênios varia de acordo com as condições do paciente, de possíveis complicações e do médico que realizará procedimento. Depois dela, a mais complexa é a cirurgia bariátrica com Bypass Gástrico que além da redução do estômago também cria um desvio no intestino do paciente. “A indicação da cirurgia, independente da técnica, é baseada em quatro fatores: grau de obesidade , tempo de evolução da doença, tentativas de tratamentos anteriores e a presença de doenças associadas”, explica cirurgião do aparelho digestivo Denis Pajecki, membro do Departamento de Cirurgia Bariátrica da Associação Brasileira para Estudo da Obesidade e da Síndrome Metabólica (Abeso).

Consagrada como tratamento para a obesidade mórbida, a cirurgia bariátrica pode ser realizada por via aberta ou videolaparoscopia, sendo a primeira opção uma escolha para super-obesos e pacientes com predominância de gordura central. Em linhas gerais, para quem não sabe, a cirurgia bariátrica consiste na remodelação do aparelho digestivo (estômago/intestino) com intuito de, basicamente, reduzir a capacidade de ingestão de alimentos por esse paciente. Para dar alguma juridicidade ao tema (em respeito a este site), informo que Superior Tribunal de Justiça – STJ possui diversas decisões com entendimento de que as SEGURADORAS e PLANOS DE SAÚDE, em tratamento de obesidade mórbida, com cobertura da seguradora, submetido à cirurgia bariátrica, deve a operadora do plano de saúde arcar com os tratamentos necessários e complementares ao referido ato cirúrgico, destinados à cura da patologia.. Isso inclui, mesmo que em procedimento cirúrgico posterior, a reconstrução mamária e a retirada de pele excessiva.

tratamento da obesidade com a cirurgia bariátrica deve ser acompanhado com uma adaptação do paciente em sua nova forma de vida. De acordo com endoscopista e coordenador do serviço de endoscopia da faculdade de Medicina do ABC Eduardo Grecco, que realizou procedimento em voluntários, pacientes com obesidade mórbida não se beneficiariam muito do procedimento porque ele prevê uma perda de peso de até 25% do peso corporal da pessoa. Os pacientes indicados para realizar a Cirurgia Bariátrica são aqueles que têm Índice de Massa Corpórea (IMC) igual ou maior que 40, e também aqueles com IMC entre 35 e 40, quando desenvolveram doenças causadas pela obesidade (co-morbidades).

Para realizar a pesquisa, Maria­na acompanhou pacientes que foram submetidos à cirurgia de redução de estômago há pelo menos um ano e pessoas que não passaram pelo procedimento. Destarte, conclui-se que a obesidade de que Autor é portador enquadra-se nos casos de cobertura obrigatória e nas indicações gerais para a realização da cirurgia bariátrica, conforme previsão, respectivamente, da Resolução nº 211/2010 da ANS e da Resolução nº 1.766/05 do CFM, havendo, ademais, indicação expressa do médico que acompanha quadro clínico do Autor, revelando-se indevida a recusa da Ré em autorizar procedimento cirúrgico.” (grifos no original) Acórdão 860891. Ausência de quadros psicóticos ou demenciais graves ou Moderados Compreensão, por parte da paciente e de seus familiares, dos riscos e mudanças de hábitos inerentes a uma cirurgia de grande porte e da necessidade de acompanhamento pós-operatório com a equipe multidisciplinar por toda a vida da paciente.” (grifei)

A cirurgia plástica pode ser necessária no caso de alguns pacientes que se submetem à cirurgia bariátrica quando a perda de peso chegou no seu ponto máximo.